Arenas Arrumadas, Penteadas e Maquiadas

Acompanhei os bastidores de algumas partidas da Champions, do English Team nas Eliminatórias em Wembley, várias da Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas aqui no Brasil e uma das coisas que mais me impressionou foi a atratividade das arenas.
Elas estavam vestidas para a festa!
De longe, fora até do raio de influência das arenas, às vezes em boa parte da cidade, encontrávamos sinalização, indicação de como chegar e até orientadores que realmente orientavam.

Ao nos aproximarmos, essa presença se fazia ainda mais forte e efetiva.

As arenas surgiam imponentes e muito bem vestidas.

Já à distância, notavam-se os cuidados que tomaram para prepará-las. Orientadores ao redor do estádio com placas, pirulitos e alguns com megafones sentados no alto de uma cadeira tipo salva vidas; alguns outros andando ao redor ajudando às pessoas com ar de perdidas, o qual bem conhecemos pois em algum momento de nossas vidas estivemos perdidos em algum lugar, e todos portando mapas completos indicando acessos, setores, bilheterias e tudo o mais que pudesse ser útil.
As arenas estavam vestidas para um evento importante, uma partida de futebol de algum torneio ou campeonato o qual podíamos facilmente identificar por conta do tipo de envelopamento que havia sido aplicado. Você se sente bem recebido, incluído naquela festa. Ao se aproximar das catracas as indicações estavam ali. Após entrar, facilmente encontrava-se o caminho para o setor desejado e, ao adentrar o setor, em segundos tomávamos o assento previamente escolhido. Olhávamos em volta e tudo identificava o evento o qual escolhemos, do qual seríamos parte ativa pelas próximas horas. Sim, porque ali, dentro do estádio, nós torcedores fazemos parte da festa e era assim que faziam nos sentir.
Aí está a receita. Simples. Quando recebemos convidados na nossa casa, a decoramos e arrumamos da melhor maneira possível para fazer com que todos se sintam bem.
Então, porque não ter o mesmo pessoal bem treinado, sinalização clara e visível, bilheterias espalhadas em locais estratégicos e toda a mesma estrutura montada nos estádios brasileiros na Copa e Olimpíadas, para os jogos dos nossos campeonatos? Isso não é gasto. É investimento. É relacionamento.
Não há quem pague? Ceda. O resultado aparecerá e surgirão patrocinadores

 

Autor: Fred Mourão

Coordenador do curso de MBA em Gestão e Marketing Esportivo da Trevisan Escola de Negócios, na unidade Rio de Janeiro

Deixe uma resposta