Arquivo da tag: 2014

Quais seus planos de carreira para 2014???

Para muitos alunos, esta pergunta pode não preocupar pois devem pensar “nossa, falta tanto para eu iniciar minha carreira, estou apenas no início do meu curso…”, mas isso é um grande engano!

Você começou a traçar sua carreira muito antes do que imagina. Você começou quando tomou a iniciativa de ser o responsável pela excursão do colégio, quando se candidatou a ser representante de turma, quando fez parte do grupo de escoteiros, quando fez trabalhos voluntários, quando resolveu fazer um intercâmbio fora do país para melhorar algum idioma e aprender sobre novas culturas, quando resolveu sair de casa para fazer a faculdade em outra cidade, enfim, você começou há muito tempo! O que talvez você não soubesse, é que essas decisões teriam um impacto na sua carreira, mas elas têm, e hoje você pode pensar nelas e em outras atitudes, desafios e aspirações para fazer um PLANEJAMENTO DE CARREIRA.

Se você está hoje na faculdade, este planejamento envolve, entre outras coisas:

–       Se dedicar aos estudos para que tenha um bom histórico acadêmico;

–       Iniciar ou continuar algum idioma – no Brasil os mais relevantes na busca de oportunidades são o inglês e espanhol;

–       Procurar desenvolver bons trabalhos em grupo, pensando não só na nota, mas no aprendizado que terá ao trabalhar com outras pessoas;

–       Preparar seu CV, para que ele esteja pronto, atualizado e revisado caso apareça uma oportunidade;

–       Preparar-se para entrevistas, dinâmicas, feiras de carreira, etc;

–       Participar de eventos relacionados a sua área de interesse, sempre lembrando de fazer networking!;

–       Tomar iniciativa em projetos dentro ou fora da escola, participar, envolver-se;

–      Busque um coach e/ou um mentor;

–       Procurar fazer estágio e/ou trabalhar em empresas juniores, órgãos estudantis e outros que possam te trazer experiências e contato com profissionais.

Se você criar o hábito de planejar, pensar e questionar o que precisa fazer para chegar onde quer, você verá que a lista acima vai se transformar muito ao longo de sua carreira, mas sempre vai existir.

Aproveite que a Trevisan tem o Conexão Mercado, uma area dedicada a te ajudar nesta caminhada.  Veja o calendário, eventos, treinamentos e oportunidades de 2014!

Comece agora!

Boa sorte!

6 dicas para atingir seus objetivos em 2014

Então, 2014 está aí e, uma das belezas de um ano novo é o planejamento e vontade de fazer coisas novas acontecerem. Enquanto esta é uma ótima época para buscar energias para realizar novos planos, muitas vezes pode ser difícil manter e seguir estes planos por muitos meses, por 12 meses…

Além de minhas metas profissionais, tenho uma meta pessoal este ano: correr a São Silvestre (o que não é uma tarefa fácil para uma pessoa pouco adepta a exercícios, como eu).  Comecei resolvendo caminhar por uma longa praia, que liga duas cidades do Rio de Janeiro, em um total de 12 km. Embora na São Silvestre sejam 15km, e em tese estarei correndo, confesso que caminhar 12km em areia fofa de praia já foi uma boa conquista para a 1a semana do ano! Reuni algumas dicas para que eu consiga realizar esta prova e acredito que cada um possa usá-las para suas prórprias metas.

Dica # 1: Criar rotina e automatizar

Mudar hábitos é uma das coisas mais difíceis de se fazer. É fácil adquirir um mau hábito, mas complicado se livrar dele depois de algum tempo.

Uma das coisas que você pode fazer para se livrar de tentações é criar rotinas e/ou automatizar atividades. Por exemplo, você está tentando economizar mais dinheiro? Se nos últimos meses você gastou seu salário todo, não confie tanto que irá se lembrar de depositar R$ 50,00 na poupança todo mês (ou talvez se lembre mas pode acabar se convencendo de que começar mês que vem está ok…!). Para evitar que isso aconteça, configure uma transferência automática de sua conta corrente para sua conta poupança para ocorrer no dia ou um dia depois do dia de pagamento . Se for uma quantidade pequena, você não vai nem dar falta, mas verá a diferença no fim do ano.

No  meu caso, relacionado a atividades físicas, terei uma rotina de exercícios 3 vezes por semana, que será levada a sério como meu trabalho.

Dica # 2 : Seja realista.

Sejamos realistas. A maioria das pessoas não consegue passar de sedentário a atleta do dia para a noite. Se você normalmente não treina, é melhor começar devagar e não desistir, do que ter uma meta muita audaciosa que você só vai conseguir  bater por 5 dias. Que tal começar com um plano para se exercitar de 1 a 3 dias por semana?

Se o seu objetivo é escrever ou ler mais, coloque um alerta de telefone ou de calendário todos os dias que diga ” hora de ler/escrever! ” Procure não ignorar o alerta. Pare e execute sua tarefa nem que seja por um período curto e, em breve, você criará o hábito de ler/escrever/ fazer o que quer.

Dica # 3: Aproveite suas tarefas diárias para criar novos hábitos.

 Você já tem uma tarefa que deve fazer todos os dias, como ir para a faculdade, ir para o trabalho,  ou levar as crianças para a escola? Pense no que você pode adicionar a essa tarefa diária.

Por exemplo, você pode ir a uma academia por 30min no caminho do trabalho para a faculdade, ou pode aproveitar o tempo de locomoção entre os lugares para ouvir aulas de inglês, outros idiomas, ler (ou ouvir) um livro, entre outras coisas.

Dica # 4 : Mude seu ambiente, sua rotina

 Seu desejo de agradar a si mesmo pode ser seu pior inimigo.  Quando você chega em casa do trabalho/ aula, tudo o que quer é assitir um pouco da sua série favorita, e ir dormir, certo? Lamentamos, mas como diz a velha frase, se você continuar fazendo o que sempre fez, vai continuar obtendo os mesmos resultados que sempre obteve.

Se você vai levar a sério seus objetivos , fique longe de suas fraquezas.

No caso do exercício, uma boa ideia pode ser colocar seu tênis, pesos, o que tiver que te lembre de se exercitar ao lado de sua maior tentação (talvez a TV!).

Dica # 5: Assuma uma nova identidade

 Mais uma vez, se você tem um objetivo, ele não vai exigir de você só uma mudança física, mas mental também.

Por exemplo, é comum alunos ficarem 2 meses nos EUA para aprender inglês e uns aprendem bastante outros nem tanto. Ambos fizeram a mudança física, mas só alguns fazem também a mudança mental. Se você está em um novo país com o objetivo de aprender o idioma local, não ajuda ir com os amigos e falar português o tempo todo, ou ir sozinho e encontrar brasileiros ou latinos por lá. Você precisa ir, se possível ficar em uma casa de família onde as pessoas falem inglês, fazer amigos que falem inglês, ou seja, precisa fazer a mudançxa mental para conseguir maximizar seus resultados.

Dica # 6: FAZER

 Como diz Nuno Cobra (treinador do Ayrton Senna), para realizar um objetivo você só precisa de 5 letrinhas:   F  A  Z  E  R

Escolha seu principal objetivo para este ano e comece a FAZER o que for necessário para atingí-lo. Quando este estiver conquistado ou bem encaminhado, comece a executar outro. Passo a passo você tem uma grande chance de onquistar todos eles. Basta FAZER.

 UM 2014 DE MUITO SUCESSO!

Fernanda

Vamos nos mexer?

O brasileiro é muito bom em fazer desabafos, reclamar da vida, achar que tudo vai dar errado. De fato, muitas situações que acontecem no País, principalmente as relacionadas com corrupção e impunidade, nos levam a um certo descrédito com as instituições em geral. Por outro lado, entendo que a indignação pura e simples só é válida se conduzir o indivíduo para uma reação. É o famoso “tirar o bumbum da cadeira”.

Quando se fala de Copa 2014 e Olímpiadas 2016 no Brasil há uma chuva de críticas e sentimentos legítimos de que serão um fracasso ou desperdício de dinheiro público. O que falta na minha visão é o cidadão brasileiro perceber que o sucesso desses eventos e o seu retorno para a sociedade dependem também da atuação dele, até mesmo como agente fiscalizador.

Foi lançado nesta semana pelo Instituto Ethos em São Paulo o projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios, uma iniciativa que tem como objetivo “aumentar os níveis de transparência, integridade e controle social sobre os investimentos que serão feitos no país em obras de infraestrutura para a Copa de 2014 e para a Olimpíada e Paraolimpíada de 2016”. O projeto prevê a formação de comitês de acompanhamento em cada cidade-sede e, o mais importante, oferece formas de participação para o cidadão. O site ainda parece meio confuso e carente de algumas informações, mas de qualquer forma é uma excelente iniciativa e ferramenta para aqueles que preferem “tirar o bumbum da cadeira”.

O que a Copa pode deixar de benefícios

A oportunidade que o País tem de sediar a Copa do Mundo pode gerar muito mais benefícios do que a realização do evento em si. Até porque dificilmente a conta para a realização do evento “fecha” se for comparado tudo o que é investido (estimado em R$ 100 bi) com o que entra de recursos durante aqueles 30 dias de jogos.

Mas isso não significa que não valha a pena, porque o País sede pode desenvolver importantes legados para os anos seguintes:

  • Infraestrutura: novos estádios, portos, aeroportos, e outras obras de mobilidade urbana ficarão como benefício concreto para o País. Obviamente, caberá a nós gerirmos, de forma adequada e sustentável, esses novos ativos.
  • Turismo internacional: serão bilhões de pessoas no mundo conhecendo mais sobre o Brasil durante a Copa e milhares viajando pelo País naqueles trinta dias, que podem significar milhões de turistas nos anos seguintes.
  • Setor esportivo: ganhará uma exposição interna como nunca antes teve, crescendo como estrutura, como negócio e como possibilidade de transformação social.
  • Capital humano: pessoas terão que ser capacitadas para a gestão do evento e a recepção dos turistas; esse capital humano não será perdido e poderá ser absorvido pela economia interna, que, aliás, vive um ciclo extremamente positivo.

E, por fim, não podemos desprezar o que sediar uma Copa pode significar em termos de autoestima e felicidade para os brasileiros. Este intangível talvez seja aquele que possa representar o principal motor de transformação e salto qualitativo da nação nos anos seguintes ao grande evento.

Pacaembu é a solução para São Paulo

Foi anunciado hoje pela Prefeitura de São Paulo o projeto de renovação do estádio do Pacaembu, que possibilitaria o seu uso para a Copa de 2014, inclusive para a abertura do evento. O projeto prevê rebaixar o gramado, construir mais um anel de arquibancada e com isso aumentar a capacidade de 40 mil para 65 mil pessoas. A fachada, que é tombada pelo patrimônio histórico, seria obviamente preservada, assim como o Museu do Futebol.

Essa me parece ser a melhor solução para São Paulo. Estamos falando de um estádio construído na década de 40 e que claramente não atende mais às necessidades atuais de conforto e visibilidade, além de ser um estorvo financeiro para seu proprietário, no caso nós os cidadãos paulistanos. E o mais interessante do projeto, avaliado em R$ 500 milhões, é a possibilidade de readequá-lo para condições mais realistas após a Copa: a capacidade poderia ser reduzida para algo em torno de 45 mil pessoas e as estruturas exigidas pela Fifa para hospitalidade seriam montadas na própria Praça Charles Miller e desmontadas em seguida.

O projeto do Novo Pacaembu pode servir para resolver dois problemas:

  1. Ser o estádio adequado para receber jogos da Copa de 2014 em São Paulo;
  2. Modernizar o principal estádio da cidade e adequá-lo aos novos tempos.

O estádio do Pacaembu possui localização privilegiada, é um patrimônio histórico da cidade e está no coração dos paulistanos. Essa é uma possibilidade concreta de solucionar a questão da cidade-sede São Paulo e ao mesmo tempo dar vida nova ao Pacaembu, evitando que ele se torne em breve um “coliseu paulistano“, como diz um amigo meu.

2014 já começou

Terminada a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, os holofotes se voltam para o Brasil, que vai ser a sede da próxima edição do maior evento midático do planeta. Tive a oportunidade de ver in loco o potencial que a Copa tem para transformar um país. 

Depois de estar na Alemanha, sede em 2006, mudei completamente a visão sobre aquele país, que tem sim belezas históricas e naturais que merecem visita, e principalmente sobre o seu povo, tido como sisudo e fechado. Os alemães foram sempre muito solícitos e simpáticos conosco. Já na Àfrica do Sul o que se viu foi um país organizado, com um potencial turístico impressionante, e um povo alegre, festivo e receptivo. Como resultado, só com a Copa do Mundo o turismo internacional ali saltou 25% neste ano em relação à 2009.

E o Brasil? Não é apenas o fato de sediar uma Copa que os benefícios virão naturalmente ou por inércia; tudo dependerá da nossa capacidade de prover o país de mobilidade urbana, de instalações esportivas adequadas e de profissionais qualificados para o atendimento ao turista. Mas não tenho dúvida do potencial que um evento como esse tem de transformar a imagem de um país e principalmente de gerar frutos por vários anos posteriores. Tudo vai depender de dois fatores:

1.) O evento em si ser bem-sucedido: uma Copa do Mundo sem grandes problemas de transporte, segurança, informação e atendimento vai mostrar ao mundo a capacidade de organização e gestão do país.

2.) Nos anos seguintes, conservar com eficiência o capital construído: todos os investimentos em infra-estrutura e tecnologia realizados para a Copa precisam ser geridos de modo economicamente sustentável, principalmente os novos estádios (veja entrevista minha no portal Copa 2014); além disso, o país vai ter que cuidar da marca Brasil para garantir um crescimento continuado do turismo internacional.

O Brasil atrai cerca de 5 milhões de visitantes estrangeiros por ano, número que está estagnado há algum tempo. Para se ter uma idéia comparativa , o número de turistas estrangeiros anuais no México é de 21 milhões. Há um potencial imenso de expansão do nosso turismo que pode ter impacto positivo em toda a sua cadeia: hotéis, restaurantes, comércio, transporte, entre outros setores. A Copa do Mundo é o trampolim definitivo para alavancar o turismo no Brasil.