Arquivo da tag: demissão

Entrevista demissional evita ressentimento e processo trabalhista

entrevista demissional
As demissões mal conduzidas e sem transparência podem gerar ressentimento nos funcionários dispensados e motivar processos trabalhistas. Isso somado ao desemprego em alta e o cenário de crise aumentam a chance de chefes cometerem atitudes abusivas, resultando em um número de queixas e ações por dano moral.

Renato Santos, professor da Trevisan e sócio da S2 – consultoria especializada em prevenir e tratar atos de fraude e de assédio nas organizações, aponta que em 2015 o número de funcionários que entraram na Justiça contra seus empregadores teve um aumento de 12,3%. De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o número de ações teve o maior crescimento em 20 anos e atingiu 2,6 milhões. Por isso, ele aconselha que seja feita uma entrevista de desligamento.

Entrevista demissional evita ressentimento e processo trabalhista

Ele explica que o procedimento é fundamental para que o RH identifique possíveis vulnerabilidades e potenciais riscos, muitas vezes desconhecidos, mas que vão corroendo a organização. Além disso, é uma ferramenta para as empresas que valorizam a prática do feedback. “Se conduzido de forma correta, esse processo permite que a organização conheça que imagem o ex-funcionário está levando em relação à conduta da empresa”, ressalta.

Santos conduz entrevistas de desligamento por meio de um sistema online, no qual as respostas são coletadas no formato de múltipla escolha, dissertativas e relatos em vídeos, permitindo uma análise da linguagem verbal e não-verbal. Entre os principais assuntos abordados estão: política geral de RH; planos de cargos, salários e carreiras; perfil da liderança; ambiente de trabalho; cultura ética e de compliance, e potenciais riscos.

Para Renato, a prática da entrevista de desligamento está conquistando espaço entre as empresas brasileiras, mas algumas organizações não utilizam tais informações tanto por dificuldade de operacionalização quanto por impossibilidade de isenção do processo. “Em alguns casos, a entrevista demissional fica a cargo de pessoas pouco preparadas, que acabam fazendo uma utilização inadequada dos dados obtidos”, afirma.

 

Fonte: Revista Melhor.

O céu turbulento da demissão

Assisti ontem ao filme Amor Sem Escalas. Em que pese a tradução infeliz do título (do original “Up in the Air”), se trata de um excelente filme, que traz de forma inteligente uma série de questões que nos aflige neste início de século: carreira profissional x vida pessoal, relacionamentos fugazes x estabilidade, crise do emprego, ascensão da mulher no mercado de trabalho, impacto das novas tecnologias no trabalho.

O filme se baseia na rotina de Ryan (George Clooney), um executivo sênior de uma empresa especializada em realizar demissões para seus clientes. Ele viaja o país para cumprir essa missão ingrata para a maioria das pessoas, mas que ele consegue lidar com tranquilidade e objetividade por vezes assustadoras.

O processo de demitir alguém é sem dúvida um dos mais difíceis da carreira de um executivo. Ainda que um profissional experiente possa ter realizado várias ao longo da sua vida, tenho certeza de que cada demissão continua sendo um momento extremamente estressante e desagradável. Mesmo tendo sido resultado de uma decisão estudada, fruto de uma avaliação profunda de desempenho daquele profissional, o ato de demitir é por definição doloroso e complexo.

Tão difícil quanto necessário em vários momentos, o processo de demissão deve levar em conta dois princípios básicos:

  • Objetividade: por ser um momento extremamente sensível para as duas pessoas, o mais indicado é ser direto, sem rodeios e com justificativas claras.
  • Sinceridade: citar um motivo aparentemente mais fácil de explicar (“corte de custos”, “reestruturação”, etc.) em vez daquele real só vai atrapalhar ainda mais a carreira do demitido; você pode transformar esse momento difícil em uma oportunidade de feed back sincero, contribuindo para o futuro profissional da pessoa.

A tendência natural do ser humano é evitar ou adiar um acontecimento desagradável. Como profissionais, nos deparamos com esse tipo de situação a todo o momento, e o melhor é encará-la e enfrentá-la da melhor forma possível. Ao avaliar profundamente a real necessidade de demitir um profissinal e ao fazer o processo pessoalmente por quem o contratou, o executivo está garantindo o aspecto mais fundamental que um ato desse deve envolver: respeito.
Fernando Trevisan