Arquivo da tag: olimpíadas

Vale a pena o Rio de Janeiro sediar os Jogos Olímpicos? (1)

Começa nesta semana a 31a edição dos Jogos Olímpicos e em setembro a 15a edição dos Jogos Paralímpicos, pela primeira vez tendo como sede uma cidade da América do Sul, o Rio de Janeiro. Os Jogos são o maior evento esportivo e o mais midiático do mundo, reunindo 11 mil atletas de 206 países e atraindo 5 bilhões de espectadores. Não há muitas dúvidas de que mais uma vez será uma bela confraternização entre os povos e uma grande celebração da magia do esporte, agora tendo como cenário a cidade maravilhosa. A questão que ainda permanece no entanto é se haverá benefícios duradouros para o Rio de Janeiro em relação ao montante investido.

Até um tempo atrás era uma honra ser escolhido para sediar uma edição da Copa do Mundo ou dos Jogos Olímpicos. Ultimamente no entanto tem crescido o sentimento de que talvez não seja tão vantajoso assim. O número de candidaturas tem caído e as desistências aumentado, como ocorreram com Estocolmo, Oslo e Munique (para os Jogos de Inverno de 2022) e com Hamburgo e Boston (para os Jogos de Verão de 2024). Basicamente as populações locais consideraram que o evento não era prioridade, que os custos eram excessivos e que os benefícios econômicos eram incertos. Essa constatação levou inclusive ao Comitê Olímpico Internacional (COI) incluir na sua Agenda 2020, documento com uma série de diretrizes de modernização do movimento olímpico, que uma das prioridades é reduzir os custos de realização do evento e incentivar a utilização de estruturas esportivas pré-existentes ou temporárias.

De fato os exemplos mostram que sediar um megaevento esportivo não é certeza de legado positivo, que o otimismo dos governos ao ser escolhido é muitas vezes exagerado, e que os orçamentos de gastos são sempre subestimados (Londres-12 por exemplo teve seus custos majorados em 179%). Os resultados dependem muito das condições ali existentes e da seriedade com que o projeto é implementado. Não é a toa que existem tanto casos de extremo sucesso como Los Angeles-84 (baixo custo de implementação) e Barcelona-92 (modernização e alavancagem do turismo internacional) como de graves prejuízos como Montreal-76 (gastos exagerados e falta de planejamento) e Atenas-04 (falta de controle dos gastos e abandono das instalações).

Apesar da maioria da população brasileira ter celebrada a escolha do Rio de Janeiro como sede em 2009, atualmente a percepção dos brasileiros não é nada boa. Rio-16 vai iniciar sob grande desconfiança local: segundo pesquisa do Ibope divulgada pelo Estadão, 60% das pessoas acham que o evento trará mais prejuízos do que benefícios para o Brasil. A crise política e econômica por que passa o país, bem diferente do contexto de sete anos atrás, obviamente não contribui em nada para se ter otimismo em relação aos impactos do evento. Ainda mais tendo como sede um estado que enfrenta uma das mais graves crises financeiras do país, prevendo um déficit de R$ 20 bilhões neste ano.

Para se ter uma avaliação correta do retorno potencial de um megaevento esportivo deve se levar em conta os eventuais retornos de longo prazo e não apenas durante a sua realização. Isso porque em geral são feitos grandes investimentos em infraestrutura urbana, cujos impactos obviamente permanecem para a população local.  Além disso, há uma grande exposição do país desde o momento em que é escolhido como sede até principalmente durante a sua realização, o que pode gerar retornos futuros para a indústria do turismo.

Em linhas gerais, para a conta fechar a sede deve atender a pelo menos uma das seguintes condições: já ter infraestrutura esportiva, de hospedagem e de mobilidade urbana, reduzindo o custo de execução; ter um déficit de infraestrutura urbana que pode ser impulsionada pela realização do evento; ou ter grande potencial turístico internacional não aproveitado. O Brasil e mais especificamente o Rio de Janeiro se encaixavam nas duas últimas condições e por isso fazia sentido celebrar a decisão do COI em 2009. Vamos conferir no próximo texto se essa perspectiva ainda permanece no momento atual.

 

Vale a pena sediar um megaevento esportivo?

Começa hoje a 30ª edição dos Jogos Olímpicos. Para nós estudiosos do mundo dos negócios e como brasileiros atentos ao fato de sermos sedes dos próximos megaeventos esportivos, é mais uma oportunidade para pesquisarmos os impactos econômicos nas nações-sedes.

Vários estudos acadêmicos demonstram que os governos tendem a superestimar o retorno financeiro para o País e a subestimar os custos de receber um evento dessa magnitude. Pesquisa da Said Business School da Oxford University indica que em média os orçamentos para a realização dos Jogos Olímpicos ficam 179% acima da previsão inicial. De fato, os gastos para Londres 2012 já são atualmente mais que o dobro do projetado. E no lado da receita adicional que os eventos propiciam com vendas, geração de emprego e renda, aparentemente os resultados são limitados, como mostra essa pesquisa de uma universidade americana.

Ainda assim, governos e países continuam disputando com afinco a possibilidade de se tornar sede de uma Olimpíada ou uma Copa do Mundo. Deixando de lado eventuais objetivos escusos que existam nos bastidores de uma candidatura, parece que os megaeventos podem sim deixar um resultado importante se atender a uma das três condições abaixo:

  • A sede já possui um mínimo de instalações esportivas em quantidade e qualidade adequadas: reduz-se o custo do evento e a necessidade de investimento (os Jogos de Los Angeles em 1984 geraram lucro para a cidade exatamente por este motivo);
  • A sede necessita de grande fluxo de investimento em infra-estrutura: o fato de receber um evento desse porte e com data marcada direciona recursos de forma intensiva para esse fim, impulsionando o seu desenvolvimento;
  • A sede tem potencial grande e não aproveitado em relação ao turismo internacional: megaeventos colocam o País em evidência para todo o mundo e funciona como um gigantesco “relações públicas”.

O Brasil claramente se enquadra nestas duas últimas situações, e portanto podemos ainda considerar estes próximos anos como uma janela importante de oportunidade para impulsionarmos o nosso desenvolvimento. E não podemos esquecer também do efeito “bem-estar” que o fato de sediar uma Olimpíada e uma Copa do Mundo pode proporcionar para a população, aspecto este que não pode ser desprezado.

Vamos nos mexer?

O brasileiro é muito bom em fazer desabafos, reclamar da vida, achar que tudo vai dar errado. De fato, muitas situações que acontecem no País, principalmente as relacionadas com corrupção e impunidade, nos levam a um certo descrédito com as instituições em geral. Por outro lado, entendo que a indignação pura e simples só é válida se conduzir o indivíduo para uma reação. É o famoso “tirar o bumbum da cadeira”.

Quando se fala de Copa 2014 e Olímpiadas 2016 no Brasil há uma chuva de críticas e sentimentos legítimos de que serão um fracasso ou desperdício de dinheiro público. O que falta na minha visão é o cidadão brasileiro perceber que o sucesso desses eventos e o seu retorno para a sociedade dependem também da atuação dele, até mesmo como agente fiscalizador.

Foi lançado nesta semana pelo Instituto Ethos em São Paulo o projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios, uma iniciativa que tem como objetivo “aumentar os níveis de transparência, integridade e controle social sobre os investimentos que serão feitos no país em obras de infraestrutura para a Copa de 2014 e para a Olimpíada e Paraolimpíada de 2016”. O projeto prevê a formação de comitês de acompanhamento em cada cidade-sede e, o mais importante, oferece formas de participação para o cidadão. O site ainda parece meio confuso e carente de algumas informações, mas de qualquer forma é uma excelente iniciativa e ferramenta para aqueles que preferem “tirar o bumbum da cadeira”.

Como São Paulo pode aproveitar as Olimpíadas em 2016

Os Jogos Olímpicos de 2016 acontecerão a cerca de 430 km de distância da capital paulista. Mas São Paulo, como o mais forte estado do País, tem muito a contribuir e aproveitar desse grande evento. Em primeiro lugar, vários dos cerca de 300 mil turistas estrangeiros deverão entrar por São Paulo, já que é pouco provável que o porto e o aeroporto do Rio de Janeiro consigam atender toda a demanda. E há portanto boa possibilidade de que fiquem mais alguns dias na cidade, consumindo os produtos e serviços locais. Além disso, a capital paulista será sede de jogos da modalidade futebol, o que deve gerar um afluxo interessante de turistas. Mas o maior potencial para São Paulo não está durante os 30 dias de evento.

O estado é um celeiro de grandes atletas, seja na capital, em clubes como o Pinheiros, seja no interior. Dos últimos sete medalhistas de ouro individuais do Brasil, quatro são paulistas. César Cielo e Maurren Maggi começaram no interior do estado. Sem falar em Gustavo Borges, também paulista e dono de quatro medalhas olímpicas. Ao mesmo tempo, é o estado mais rico da federação e sede da maior parte das principais empresas presentes no País. São empresas que podem se utilizar não só da lei federal de Incentivo ao Esporte, mas também da lei estadual, permitindo que empresas paulistas repassem recursos a projetos esportivos credenciados pelo governo do Estado por meio da renúncia do ICMS. Assim, as possibilidades de patrocínio para a formação e o desenvolvimento de atletas de alto rendimento no Estado são imensas. Escrevi um pouco sobre isso no Lance! de hoje.

Paralelamente, o fato de sediar um evento como as Olimpíadas coloca naturalmente o esporte em evidência em todo o país-sede. E o País se beneficia com mais pessoas conhecendo os benefícios da atividade esportiva e passando a praticar mais, melhorando a saúde geral da população.

“O Futebol Explica o Brasil”

Com esse título instigante, o jornalista e historiador Marcos Guterman* escreveu um livro original que traça um paralelo entre a história do futebol e a história do Brasil. Dividido por ordem cronológica, o livro conta desde a inserção do esporte no país, a sua transformação de jogo de elite em fenômeno popular, até a profissionalização que vivenciamos atualmente. O interessante é que o autor conseguiu demonstrar algo que eu já intuia: que o futebol no Brasil deve ser analisado e compreendido muito além de apenas um jogo e que ele pode sim explicar muito da formação da nossa sociedade.

É do futebol, por exemplo, que emprestamos a expressão “complexo de vira-latas” para designar esse sentimento nacional de inferioridade perante os estrangeiros. O termo foi criado por Nelson Rodrigues a partir da tragédia que foi a derrota para o Uruguai na final da Copa de 50 em pleno Maracanã. Depois de construirmos o maior estádio do mundo e sediarmos a primeira Copa depois da Segunda Guerra Mundial, tínhamos a grande chance de mostrar para o mundo a força da nossa mistura étnica, e fracassamos.

Ainda que oito anos depois tenhamos conseguido ganhar a Copa, o País permaneceu com pouca representatividade mundial por praticamente todo o século 20. A sensação agora, no entanto, é que vencemos definitivamente o “complexo de vira latas” por uma série de motivos:

  • Somos a 9ª maior economia do mundo;
  • Temos democracia plena e consolidada;
  • Nossa inflação está razoavelmente controlada;
  • Somos um dos maiores produtores de alimentos;
  • Temos uma indústria diversificada;
  • Não temos endividamento externo;
  • Temos autosuficiência energética;
  • Criamos o maior frigorífico do mundo;
  • Somos o 6º maior fabricante de automóveis;
  • Somos exportador de aeronaves.

Entre outros tantos exemplos positivos, é claro que ainda há uma série de desafios a enfrentar, como os altos custos tributários, a segurança e a saúde pública, a qualidade e o acesso à educação, a infra-estrutura precária. Mas o fato é que o Brasil está hoje num outro patamar. E a consolidação dessa imagem deve se dar com a realização dos dois maiores eventos esportivos que teremos a oportunidade de sediar nesta década: a Copa em 2014 e as Olimpíadas em 2016. Vai ser a chance de outro de definitivamente sepultar aquela derrota de 1950.

* Marcos Guterman participou do I Encontro de Estudos Aplicados na Trevisan Escola de Negócios. Confira o resumo do evento aqui.