Controles Internos, Compliance e Gestão de Pessoas

Há algum tempo venho me deparando que as pessoas mesmo sabendo que existem regras, procedimentos e obrigações, estão cada vez mais arredias e sem postura para respeitar as normas internas das empresas.

Por mais que as empresas implementem metodologias de trabalhos, alguns profissionais insistem em não seguir e cumprir, e seguem seus “próprios caminhos”, e se você comenta alguma coisa, ficam irritados e começam a dar “piti” (ataque histérico), abandonam projetos, trabalhos e processos, por que foram contrariados.

As empresas tem sofrido muito com as postura de alguns profissionais da geração Y, existem até estudos para entender melhor o processo de gestão de pessoas, mas tem marmanjo que é pior que os meninos, falta maturidade profissional.

Outro problema enfrentado pelos profissionais de controles internos, compliance, riscos e segurança da informação, é o tal do BYOD (Bring Your Own Device), isto significa que os funcionários estão usando tablets e smartphones no seu dia a dia e querem trazê-los para seus ambientes de trabalho.

Segundo Cézar Taurion, Gerente de novas tecnologias da IBM Brasil, “o BYOD libera os funcionários para usar os dispositivos que mais os agradam para a realização das suas tarefas profissionais. Como os consumidores finais estão hoje à frente da vanguarda tecnológica, as empresas perceberam que é muito mais negócio abraçar essa ideia do que proibir. Afinal, elas não podem fechar os olhos para esta tendência, que segundo analistas de mercado, é impossível de bloquear.

Como reagir diante deste novo cenário? O setor TI não é mais dono do ambiente tecnológico dos usuários. O tradicional paradigma da homologação e definição por TI do que pode ou não entrar na empresa já não vale mais. Como fazer frente a este tsunami?”

Quando falamos de tecnologia, podemos dizer que é até compreensível, mas para as tarefas de trabalho do dia-a-dia, é complicado, e por mais que orientamos, parece que mais complicado fica, e segundo um dos componentes do COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission), indica a tal de informação e comunicação, ferramenta de suma importância, mas será que as pessoas estão preparadas para ouvir, ou só ouvem aquilo que interessa?

Portanto hoje o profissional de controles internos, compliance, riscos e segurança da informação necessitam incorporar uma boa parte de psicologia, para que possamos sobreviver neste no cenário, onde muitos acham que sabem tudo e poucos conseguem convence-los que não sabem, é tudo uma questão de conjunto, esforço coletivo e trabalho em equipe, e que mesmo assim temos vários obstáculos, imagine quem não faz, quantos problemas tem!!!

* Marcos Assi é consultor da MASSI Consultoria – Prêmio Excelência e Qualidade Brasil 2013 e Comendador Acadêmico com a Cruz do Mérito Acadêmico da Câmara Brasileira de Cultura, professor de MBA de Gestão de Riscos e Compliance e Gestão Tributária na Trevisan Escola de Negócios, entre outras, autor dos livros “Controles Internos e Cultura Organizacional”, “Gestão de Riscos com Controles Internos” e “Gestão de Compliance e seus desafios” pela Saint Paul Editora. www.massiconsultoria.com.br

Deixe uma resposta